Mensagem de Natal de Dom Fernando Saburido

0

Mensagem de Natal

 

“Hoje sabereis que o Senhor virá e amanhã vereis a sua glória, aleluia!”

 

Queridos irmãos e irmãs,

 

          Na Liturgia das Horas, esse verso litúrgico, inspirado na antiga história do maná do deserto (Ex 16), se torna uma espécie de refrão que nos acompanha nas orações do dia 24 de dezembro, como que nos anunciando a alegria do Natal que celebraremos a partir daquela noite.

           A festa do Natal tem uma dimensão de memória e de mistério. No século IV, os cristãos começaram a celebrar o nascimento de Jesus no 25 de dezembro, para assumir e transformar a festa que os antigos romanos faziam ao sol por ocasião do solistício do inverno. No lugar de festejar o nascimento do sol invencível, passaram a celebrar o nascimento do Cristo, Luz do mundo. No século V, São Leão dizia que toda celebração litúrgica contém um “mistério”, porque, ao fazer memória do que aconteceu (por exemplo, o nascimento de Jesus), somos incorporados/as ao efeito de salvação que aquele acontecimento passado continua realizando no presente. Assim, cada vez que é celebrado, o Natal atualiza para nós os frutos da encarnação e da vinda do Cristo no meio de nós.

          Por ter nascido como nosso irmão em humanidade, Jesus assume hoje a realidade humana de cada um de nós. Viver a espiritualidade do Natal significa reconciliar-nos com nossa realidade humana, pessoal e social. Hoje, as palhas da manjedoura na qual Jesus repousa são o nosso jeito de ser, as nossas fragilidades e problemas, nossa realidade pessoal e social. Para celebrarmos de modo sincero e profundo a festa da encarnação do Verbo Divino no mundo, devemos nos interrogar se, como Jesus, temos aceitado nos encarnar na realidade, ou seja, nos inserir como irmãos de toda a humanidade, comprometidos plenamente com o destino da sociedade e do planeta Terra.

          O papa Francisco, bispo de Roma, nos dá o exemplo para que todas as dioceses do mundo se abram de forma mais profunda e solidária às pastorais que trabalham a caridade e aos movimentos sociais. No sábado 03 de novembro, ao se encontrar com representantes de movimentos sociais de todo o mundo,  o papa afirmou: “Eu me congratulo com vocês e os acompanho. Peço que vocês continuem a abrir caminhos e a lutar. Isto me dá força, nos dá força. Acredito que este nosso diálogo, que se soma aos esforços de tantos milhões de pessoas que trabalham diariamente pela justiça em todo o mundo, está lançando raízes” (…) “Quando vocês, os pobres organizados, inventam atividades sociais, criam cooperativas, recuperam uma fábrica falida, reciclam os descartes da sociedade de consumo, enfrentam a inclemência do tempo para vender seus produtos em uma praça, quando vocês reivindicam um pedaço de terra para cultivar e para alimentar quem tem fome, quando fazem isto vocês estão imitando Jesus, porque buscam curar, mesmo que somente um pouquinho, mesmo se precariamente, esta atrofia do sistema socioeconômico reinante que é o desemprego. Não me surpreende que também vocês às vezes sejam vigiados ou perseguidos, nem me surpreende que aos soberbos não interessa aquilo que vocês dizem”.

          Ao comparar as atividades dos movimentos sociais com o que Jesus fazia, de certo modo, o papa chama a todos nós, padres, religiosos/as e agentes de pastoral a viver esse mistério da Igreja “para fora”, a serviço do mundo. Aqui no Recife, em pleno Nordeste brasileiro, o nosso povo vive todas essas situações sociais que o papa enumera. Os movimentos sociais têm o direito de esperar dos padres e agentes de pastoral da nossa arquidiocese o mesmo apreço, estima e solidariedade que recebem do papa Francisco.

          Se fizermos isso, poderemos então verdadeiramente cantar e testemunhar o que disse o anjo de Belém: “Eu vos anuncio uma grande alegria que será para todo o povo. Hoje para vós nasceu um Salvador que é o Cristo, o Senhor” (Lc 2, 10 – 11).

Deus nos abençoe a todos nesse caminho!

Desejo a todos um santo e feliz Natal.

 

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB

Arcebispo de Olinda e Recife.

Share.

Leave A Reply