Encontro de Canto Litúrgico Pastoral 2016

0

“…A música sacra será tanto mais santa quanto mais intimamente estiver ligada à ação litúrgica, quer exprimindo mais suavemente a oração, quer favorecendo a unanimidade, quer, enfim, dando maior solenidade aos ritos sagrados. SC 112

 

Irmãos e irmãs em Cristo,

A Igreja, ao longo dos séculos, tem colocado a arte, e em especial a música, em importante patamar. A tradição musical da Igreja, conforme nos ensina a Sacrosanctum Concilium sobre a Sagrada Liturgia, é “um tesouro de inestimável valor, que se sobressai entre todas as outras expressões de arte, sobretudo porque o canto sagrado, intimamente unido com o texto, constitui parte necessária ou integrante da liturgia solene.”

A CNBB, reforçando a preocupação da Santa Sé, buscou adaptar à realidade da Igreja no Brasil as determinações litúrgicas. Neste espírito, diversos compositores, letristas, musicólogos, etnomusicólogos e liturgistas se uniram com vistas a criar um repertório que estivesse verdadeiramente a serviço do mistério da fé, da assembleia sacerdotal, em conformidade com os textos litúrgicos e a espiritualidade do ano litúrgico, buscando uma participação consciente e frutuosa de todos.

cartaz-do-curso

Entretanto, algumas falhas na concretização das proposições do CV II são encontradas na realidade Brasileira, inclusive em nossa Arquidiocese. O estudo 79 da CNBB aponta algumas dessas lacunas:

  • Ainda são frequentes as celebrações em que alguém ou um grupo executa sozinho todos os cantos, não se importando com a participação do povo ;
  • A postura de alguns animadores e animadoras do canto nem sempre tem propiciado um clima de oração e de interiorização. Às vezes há mais ruído e distração do que contemplação e escuta;
  • Não são poucos os animadores que, por falta de formação litúrgica, desconhecem os critérios de escolha dos cantos para a missa, que deve levar em conta o tempo litúrgico, os textos de cada celebração, e o tipo de assembleia;
  • A demasiada mudança de repertório, por conta de uma superficial mania de novidade ou concessão à onda de consumismo e mídia, ou a utilização de um repertório que vem se repetindo incansavelmente a décadas, mecanizando nossas celebrações, e impedindo o povo a compreender a mistagogia litúrgica através da música como parte integrante da liturgia.

Sendo assim, a Arquidiocese de Olinda e Recife, a partir da Comissão Arquidiocesana de Pastoral para a Liturgia, colocou como uma das prioridades para este ano a formação litúrgica voltada para o fazer musical em nossas paróquias (PPA 139). Como culminância da atuação da CAPLiturgia – Setor Música Litúrgica durante o ano de 2016, estaremos realizando o Encontro de Canto Litúrgico e Pastoral. Com a assessoria da Ir. Míria T. Kolling, ICM,* o encontro apresentará aos participantes, dentre a intensa programação, um repertório rico a ser utilizado no dia-a-dia eclesial, contendo missas, partes fixas (ordinário da missa), refrãos orantes, e outros. O Encontro também faz alusão ao Jubileu extraordinário da Misericórdia, trazendo como tema: “Misericordiosos como o Pai! Misericordiosos como Jesus!”

O evento tem como público-alvo os agentes da Pastoral Litúrgica das Paróquias e comunidades (Leitores, Salmistas, Ministérios de música), catequistas, Padres, seminaristas, religiosos, “e os que gostam da liturgia e da música”, como enfatiza a assessora.

Por isso, venho pedir a participação ativa de nossas paróquias, igrejas, e casas religiosas com, ao menos, um representante de cada. Somente com a presença efetiva de nossas comunidades, teremos uma mudança de realidade em nossa Arquidiocese, fazendo de nossas liturgias espaços de Celebração da ação de Deus em nossa vida (Dimensão teológica) e do mistério pascal do Senhor (Dimensão Cristológica), onde se possa reconhecer, através de uma verdadeira participação do canto em comunidade, especialmente, o único semblante da Esposa de Cristo, a Igreja (Dimensão Eclesiológica).

*Irmã Míria T. Kolling, ICM – Formada em Música –  bacharelado em Instrumento – Piano, na Faculdade de Música de Santos, tendo se especializado em música sacra na Alemanha e Áustria, tem feito um trabalho de destaque com a música litúrgica e pastoral para a Igreja no Brasil. Compositora com mais de 50 CD’s gravados, com clássicos como “Estaremos aqui reunidos” e “Alegres vamos à casa do Pai”, coordenou, dentre outros livros, a conhecida coleção “Cantando os Salmos e Aclamações – Ano A, B, e C” pela editora Paulus.

Pe. Moisés Ferreira – Coordenador da CAPLiturgia

Recife, 12 de outubro de 2016.

Share.

Leave A Reply