Palavra do Arcebispo – mês vocacional

0
166

A Palavra do Arcebispo

Agosto de 2017

Vida, resposta a um chamado

Quem se declara cristão ou cristã não o é por conveniência ou por costume. A fé é opção pessoal e livre. No entanto, por trás da resposta consciente da fé há um segredo: Deus nos amou primeiro e nos chamou para viver com ele uma relação de amor e colaboração no projeto que ele tem para o mundo. Por trás das circunstâncias históricas e sociais que levam cada pessoa a viver a fé há um chamado de Deus: uma vocação. A nossa resposta sincera e consciente exige coragem e confiança. Uma entrega total de si mesmo nas mãos de Deus, sem medir as consequências. Exemplos não nos faltam, nas Sagradas Escrituras e ao longo da história da Igreja, de chamamentos e respostas corajosas, mesmo sem conhecer o caminho com clareza.

Para aprofundar a consciência desse chamado divino em nossas vidas, a cada ano, a Igreja Católica no Brasil consagra agosto como “mês vocacional”. Neste ano do tricentenário da aparição da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a CNBB propõe como tema para o mês vocacional: “A exemplo de Maria, discípulos missionários” e como lema “Eis-me aqui, faça-se”. Foi o Ano Mariano que nos motivou a promover em maio último a peregrinação arquidiocesana ao Santuário Nacional, para render nossas homenagens a Nossa Senhora e interceder pelo nosso povo. Por trás da escolha do tema e do lema está uma profunda intuição. Se toda a Igreja e sua missão dependem de um chamado divino, a primeira atitude nossa é a de pedir a Deus que suscite novas vocações para as comunidades, paróquias e dioceses, assim como desperte na juventude esse desejo interior de servir ao projeto divino no mundo através das diversas vocações ou caminhos eclesiais.

Seja como animadores leigos/as de comunidades, seja como religiosos/as, consagrados, seja como ministros do povo de Deus, todos precisamos descobrir que Deus nos chama permanentemente e somos felizes quando atendemos ao seu apelo. Então, cada um/uma pode dizer: “Eis-me aqui. Faça-se”. O chamado não acontece uma só vez. Deus nos chama de várias maneiras e em ocasiões diferentes.  Pacientemente, Ele fica à espera de nossa resposta. Nesse terceiro centenário de Aparecida, contemplamos Maria como modelo de nossa vocação e exemplo de fidelidade ao chamado divino.

Uma das mais recentes iniciativas do papa Francisco foi escrever uma carta à juventude do mundo inteiro. Ele inicia a carta afirmando: “Caríssimos jovens, tenho alegria de anunciar a vocês que, em outubro de 2018, celebrar-se-á o Sínodo dos Bispos com o tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. Quis que vocês estivessem no centro da atenção, porque os tenho comigo no meu coração. (…) Vêm-me à mente as palavras que Deus dirigiu a Abraão: “Sai da tua terra, do meio dos teus parentes e vai para a terra que eu vou te mostrar”(Gn 12, 1). Essas palavras são hoje direcionadas a vocês. São palavras de um pai que os convida a sair para se lançar na direção de um futuro não conhecido, mas portador de realizações seguras, ao encontro do qual, ele mesmo os campanha. Convido vocês a escutarem a voz de Deus que ressoa nos corações de cada um/uma através do sopro do Espírito Santo” (Doc. preparatório n.45) e também rezar pelas vocações leigas e ministeriais.

Para todos/as, um feliz mês vocacional!

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB
Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife