AVALIAÇÃO DA 51ª ASSEMBLEIA PASTORAL DO REGIONAL NE 2

0

AVALIAÇÃO DA 51ª ASSEMBLEIA PASTORAL DO REGIONAL NE 2

 

Dom Dulcênio Fontes de Matos,

Bispo de Palmeira dos Índios – AL

 

A 51ª Assembleia Pastoral do Regional Nordeste 2 aconteceu entre os dias 18 e 21 de outubro do corrente ano, em Lagoa Seca – PB. Teve como tema: “Vocação e missão da família no mundo contemporâneo” e o lema: “O amor é a nossa missão”. A Assembleia teve a coordenação da comissão preparatória a cargo de Dom Dulcênio Fontes de Matos e a assessoria de Dom Giancarlo Petrini.

Destacaram-se nessa Assembleia: as colocações de Dom Petrini acerca da Exortação Pós-Sinodal do Papa Francisco Amoris Laetitia, mostrando que estamos diante de um documento pastoral de linguagem simples e acessível e, por isso, de uma profundidade teológica muito grande, e suas ponderadas colocações acerca da Pastoral Familiar, de como ela é uma resposta concreta e eficaz da Igreja aos desafios pelos quais passam as famílias nos dias atuais. Também merecem destaque os estudos e avaliações em grupos, onde ocorreu a integração de visões e propostas de diversas realidades.

A partir das avaliações e propostas dos grupos, houve a apresentação da síntese das propostas pastorais e a discussão e votação delas em plenário, concluindo os trabalhos da Assembleia. Em plenário, ficou decidido que teremos para o ano de 2017 uma prioridade a ser colocada em prática, bem como destaques que auxiliarão no exercício desta prioridade. Seguem a prioridade e os destaques:

 

PRIORIDADE:

  • Tornar conhecida a Pastoral Familiar, implantá-la e/ou fortalecê-la em todas as paróquias do Regional, à luz do Diretório e do Guia de Implantação da Pastoral Familiar.

 

DESTAQUES:

  1. Integrar a Pastoral Familiar com outras realidades das paróquias (catequese, pastorais, movimentos, serviços…), para que aconteça uma pastoral de conjunto e orgânica;
  2. Que em cada diocese, orientados pelos bispos, encontrem-se agentes de pastoral com carisma, preparação adequada e movidos por misericórdia, para acompanhar casais e famílias “em situações especiais”, discernir tais situações, a fim de integrá-los no seio da comunidade eclesial.
  3. Incentivar a dimensão missionária da Pastoral Familiar e das próprias famílias (Igreja em saída);
  4. Valorizar e dar mais destaque à Semana Nacional da Família;
  5. Formar pessoas para que sejam agentes qualificados da Pastoral Familiar;
  6. Acompanhar os namorados e noivos na preparação remota, próxima e imediata ao Matrimônio, como também os casais no início da vida conjugal;
  7. Traduzir a Amoris Laetitia numa linguagem mais próxima de nossa realidade, por meio de encartes, folhetos periódicos, entre outros (Comissão para a Doutrina da Fé);
  8. Proporcionar momentos que incentivem a mística e a espiritualidade da vida familiar;
  9. Que cada Diocese estude caminhos para a compreensão e resposta aos apelos pastorais contidos no Capitulo VIII da Exortação Apostólica Amoris Laetitia.

 

A partir das reflexões e discussões desta Assembleia, temos um caminho traçado, caminho empolgante e desafiador. Cabe a nós tornar este caminho uma realidade concreta em nossas Igrejas Particulares.

 

Palmeira dos Índios – AL, 21 de novembro de 2016.

Share.

Leave A Reply