Mensagem especial de Dom Genival na Missa de encerramento do Ano Santo

0
Milhares de fiéis foram ao Adro do Centro Cultural São Francisco, no Centro Histórico de João Pessoa, na tarde do sábado, dia 12 de novembro, para o encerramento do Ano Santo da Misericórdia na Arquidiocese da Paraíba. A Celebração campal foi presidida pelo Administrador Apostólico da Arquidiocese da Paraíba, Dom Genival Saraiva de França, com a participação da maioria do Clero arquidiocesano. Durante a Homilia, disse Dom Genival:
“Com o coração, com o sentido de fraternidade, de pertença ao povo de Deus, eu queria mesmo que neste instante cada um de vocês colocasse isto no seu coração: eu sou a Arquidiocese da Paraíba lá na minha rua, lá no meu bairro, lá no meu trabalho, lá na minha atividade, lá no meu sítio, lá no meu engenho… Eu sou esta família arquidiocesana. Deus está dizendo isso a você, enquanto está dizendo que nós somos povo de Deus, somos o seu povo. Esta Celebração realmente está nos dizendo que Deus chegou a nós com a linguagem do Jubileu da Misericórdia. Nós vamos rezar uma oração e dizer: nossa mente e nosso coração foram tocados pela linguagem da Misericórdia neste Jubileu. A Porta Santa é um símbolo, é uma expressão, porque na verdade quem tocou o nosso coração foi o amor misericordioso de Deus, e aí cada um de nós procure ser muito humano, sempre mais humano daqui pra frente. Cada um de nós procure ser muito mais fraterno daqui pra frente, cada um de nós, daqui pra frente, busque sempre ser mais justo. Com este Jubileu da Misericórdia cada um de nós se sinta cada vez mais corresponsável por essa igreja diocesana, paróquia, comunidade eclesial de base, movimento, associação… é o rosto misericordioso de Deus falando ao seu povo através de nós. Mas certamente você é quem sabe de que forma este Jubileu chegou a você, não é nem por isso que eu estou dizendo, é por aquela busca de Deus. Quantas pessoas, hoje, nós encontramos lá na Lagoa, no Parque Solon de Lucena! Então, é pra dizer: o coração das pessoas foi tocado por Deus. Essa graça nós vamos pedir a nosso Senhor: nossa Arquidiocese, como todas as dioceses, são necessitadas de Misericórdia. Todas! Quem sabe a nossa um pouquinho mais, ou um pouquinho menos. Todos nós somos santos pecadores. Assim nos ensina a Igreja. Pois foi essa a linguagem do Jubileu que chegou a nós. Por isso você está aqui”.

De: Eisenhower Almeida de Albuquerque.
Assessor de Imprensa/Comunicação da Arquidiocese da Paraíba.
Share.

Leave A Reply