Páscoa de cada Tempo e Lugar

0

A Pascoa da Antiga Aliança comemorava a saída do Egito onde o povo hebreu vivera na escravidão. A Páscoa cristã, que acontece a cada ano, faz memória e torna atual a Páscoa que Jesus celebrou com seus apóstolos. Na verdade, a Páscoa é celebrada continuadamente na liturgia porque Jesus ressuscitado está presente na vida do povo que foi resgatado com sua morte na cruz. No Tempo Pascoal, que se estende até Pentecostes, os fiéis têm a graça de viver o mistério que celebram, à luz da fé.

A condição de peregrino é uma realidade inerente à vida do povo de Deus, como foi no passado. Se antes a peregrinação tinha como destinação a terra prometida, hoje tem como o horizonte a “pátria eterna”. Foram muitos os desafios experimentados pelo povo hebreu e longo o percurso geográfico da caminhada; hoje, o êxodo tem perfil e desafios próprios e uma abrangência maior porque o povo, em muitas partes do mundo, conhece as vicissitudes de uma longa e difícil travessia. Nesse sentido, a Páscoa de 2016, vivida pelos católicos com a certeza de continuarem contando com a presença de Jesus ressuscitado, não pode deixar de ter um olhar misericordioso sobre a realidade do mundo, ao seu redor, porque, para bilhões de pessoas, a expectativa da conquista e a experiência da vitória ainda estão pra acontecer. Basta que se veja o êxodo de milhares de pessoas do Oriente Médio, em busca de sobrevivência na Europa e em outros Continentes; isto está dizendo à humanidade que os faraós de hoje são mais brutais do que os do Egito. A fome, a que estão submetidas milhões de pessoas, tem uma linguagem iníqua; sua extensão, que não tem precedentes na história, não é consequência de intempéries, mas das gritantes desigualdades sociais que são, facilmente, identificadas no “mapa mundi”. Eis a razão pela qual a Páscoa deste ano, necessariamente, deve falar à razão e ao coração de todos.

No Brasil, a graça de que necessitam os indivíduos, as famílias e os cidadãos, nesta Pascoa de 2016, tem um quê de particular, dado o estado de coisas que, além da crônica, está registrado em sua mente e em seu coração. A crise política e econômica, causada por uma corrupção calculadamente arquitetada por políticos e empresários, vai de encontro às aspirações e aos direitos individuais e coletivos. A esse respeito, tendo chamado a fazer a experiência da misericórdia quem faz parte de “um grupo criminoso”, o Papa Francisco, na Bula “Misericordiae vultus” (O Rosto da Misericórdia), faz um convite, em vista de sua conversão, a quem promove a corrupção: “O mesmo convite chegue também às pessoas ou cúmplices da corrupção. Esta praga apodrecida da sociedade é um pecado grave que brada aos céus, porque mina as próprias bases da vida pessoal e social. A corrupção impede de olhar para o futuro com esperança, porque, com a sua prepotência e avidez, destrói os projetos dos fracos e esmaga os mais pobres. É um mal que se esconde nos gestos diários para se estender depois aos escândalos públicos. A corrupção é uma contumácia no pecado, que pretende substituir Deus com a ilusão do dinheiro como forma de poder.”

A Páscoa de 2016, celebrada com os estímulos do Jubileu da Misericórdia, apela para a aplicação da justiça a quem causou males de toda natureza aos seus irmãos. Essa ordem de coisas no Brasil e no mundo está muito distante das alegrias e certezas da Ressurreição.

                                   Dom Genival Saraiva

                                   Bispo Emérito de Palmares – PE

Share.

Leave A Reply